Páginas

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Criança e saúde no verão


No inverno ficamos preocupados com os resfriados dos pequenos por conta das baixas temperaturas. Já o verão é uma estação com toda cara de saúde... Mas será que é assim que funciona?
A estação mais quente propicia a propagação de insetos, vírus, fungos e bactérias, além disso, para fugir do calor o uso de aparelhos de ar condicionado é maior, gerando choque térmico e permitindo a troca de agentes infectantes entre as pessoas no ambiente. Os passeios que incluem praia, piscina e cachoeiras são mais frequentes e podem levar à doenças nos ouvidos, micoses e riscos à segurança - afogamentos e crianças perdidas são mais frequentes no período. Então, fique atenta às dicas que temos para dar!
Doenças de pele - alguns dos problemas que costumam afetar crianças com mais frequência quando expostas à areia, água do mar e de piscina são a larva migrans (conhecida como "bicho geográfico"), estrófulo (reação exacerbada a picada de insetos)e a miliária (ou brotoeja) ocasionada pela transpiração excessiva.
  • Miliária ou Brotoejas: Para eivtar as brotoejas, deve-se manter a pele do bebê ou criança sempre seca, com especial atenção às articulações (pescoço, joelho e cotovelos). Para prevenir, é importante evitar excesso de roupas e manter a pele arejada
  • Micoses: Podem aparecer em diversas partes do corpo, e, notando qualquer alteração na pele e coceiras, procure o pediatra ou um dermatologista de confiança para o tratamento adequado, que costuma incluir pomadas. As micoses são ocasionadas por fungos que adoram um clima quente e úmido. Por isso, mantenha a pela dos pequenos bem seca e não frequente locais que podem ser mais propensos à contaminação caso a pele apresente machucados e feridas.
  • Larva Migrans: provenientes das fezes de cachorros, penetram na pele. Assim, mantenha distância de parques e praças com areia e terra que sejam frequentadas por cães e gatos.
Doenças do ouvido - devido ao tempo maior dentro d'água, a galerinha fica mais sujeita à otites externas - que atinge especialmente o conduto auditivo externo e pavilhão auricular. Não existe uma regra quanto ao tempo que a criançada pode ficar na água, pois isso varia de pessoa para pessoa. Mas o exagero deve ser evitado. O ouvido tem anatomia que permite que a água entre e saia de forma natural, mas caso a criança tenha passado mais tempo que o normal "de molho" pode ocorrer otite. Somente em caso de dor é indicado o tratamento com medicação que, CLARO, deve ser prescrita pelo médico. Além de controlar o tempo dos pequenos dentro d'água, os pais devem estar atentos a limpeza da mesma, seja na piscina ou no mar. Verifique se a piscina é tratada de forma adequada e se o mar está próprio para banho pois água suja possui bactérias que podem causar otites. outra coisa MUITO importante é nunca usar medicação caseira ou pingar qualquer produto sem a orientação de um médico pois além de não necessariamente tratar a doença, ainda pode dificultar o diagnóstico.

Criança perdida - grandes aglomerações são armadilhas fáceis para que as crianças se percam. E ainda temos o mar, que mesmo para nadadores experientes, pode ser bem traiçoeiro. Assim, não se pode tirar os olhos NUNCA da garotada. Algumas dicas valiosas:
  • Não perca os pequenos nunca de vista.
  • Identifique-as! Seja com crachás, pulseiras ou tatuagens temporárias para identificação.
  • Oriente a galerinha quanto ao ponto de encontro em caso de desencontro. Use sempre referências fixas como um quiosque ou edifício / construção na direção onde estão na areia.
  • Faça seus filhos decorarem o telefone dos pais para facilitar o contato com vocês caso eles se percam e alguém possa ajudá-los.
  • Se mesmo com todo cuidado, atenção e orientação a criança se perder, procure o guarda-vidas mais próximo. Ele são orientados e treinados para ajudar nestes casos e conhecem o local como ninguém!
Afogamento - como mencionamos, o mar pode ser muito perigoso mesmo para nadadores experientes, por isso, nunca fique muito confiante nas habilidades dos seus filhos. Bebês podem se afogar mesmo em pequenos volumes de água já que tem dificuldade de controlar seus movimentos para levantar a cabeça da água ou virar-se. Em caso de afogamento é necessário fazer respiração boca-a-boca e colocar a criança deitada de lado para que ela possa expelir o líquido, sem que ele entre em contato com os pulmões. Ap's o incidente, busque um pronto-socorro. Se ocorrer na praia, chame o guarda-vidas para realizar os primeiros socorros. Em caso de afogamentos graves, é preciso chamar uma ambulância IMEDIATAMENTE, enquanto os primeiros socorros estão sendo prestados.

Dengue, chikungunya e leptospirose -  o mosquito Aedes Aegypti se prolifera mais rápido no verão, sendo ainda mais importante que se tomem algumas medidas ara evitar sua infestação. O mosquito transmite Dengue e febre chikungunya. Já a leptospirose é uma doença bacteriana transmitida pela urina de diversos animais ao ser humano.
  • Dengue: O período de incubação é de 3 dias e seu ciclo é de 5 a 6 dias. A dengue clássica apresenta como sintomas febre alta de início súbito, dor de cabeça e atrás dos olhos, extremo cansaço, perda do apetite, náusea e vômito, manchas pelo corpo similares às de sarampo, sendo prevalentes no tórax e membros superiores, tontura, dor nos ossos e articulações. Já a dengue hemorrágica, forma mais grave e que pode ser fatal da doença, apresenta os mesmos sintomas, porém, a febre cessa e se iniciam outros sintomas, sendo estes fortes dores abdominais contínuas, vômitos persistentes, pele pálida, fria e úmida, sangramento pelo nariz, boca e gengivas, manchas vermelhas na pele, sede e boca seca excessivas, sonolência, agitação e confusão mental, pulso rápido e fraco, dificuldade respiratória e perda de consciência. É importante procurar orientação médica ao surgirem os primeiros sintomas, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas com outras doenças, como febre amarela, malária ou leptospirose e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.
  • Chikungunya: Tem sintomas parecidos com a dengue, porém, o que diferencia a febre chikungunya da dengue é a dor nas articulações, que é incapacitante. Esta doença é menos grave que a dengue e não costuma ter agravantes maiores. Este é o primeiro verão com esta doença no Brasil.
  • Leptospirose: As chuvas fortes de verão podem causar enchentes e espalhar a urina de animais, o que aumenta o risco de contaminação desta doença, que pode se instalar pelo contato com a pele, mesmo que íntegra ou com pequenos ferimentos e se espalha pela corrente sanguínea. Seus sintomas principais são febre alta que começa de repente, mal-estar, dor muscular em especial na panturrilha, dor de cabeça e no tórax, olhos vermelhos, tosse, cansaço, calafrios, náuseas, diarreia, desidratação, manchas vermelhas no corpo e meningite. Seu ciclo costuma ser de 3 ou 4 dias, porém a doença pode apresentar agravamento após esse período surgindo, então,  icterícia, hemorragias, complicações renais, torpor e coma, que caracterizam sua forma grave, também conhecida como doença de Weil.

Portanto, fique atenta e muito cuidado junto com a diversão nesse verão!