Páginas

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

“Quem escreveu fui eu!”

Crianças de seis a dez anos estão tendo a oportunidade de criar seus próprios livros dentro da escola, com acabamento de luxo e, ainda, com revisão feita por profissionais. Estamos falando do Projeto Magia, que promove o desenvolvimento educacional por meio do incentivo à leitura, escrita e pronúncia de fonemas com a criação de histórias transportadas para livros.

Apoiado por educadores, o Projeto Magia ganha cada vez mais adeptos mirins, funcionando como um instrumento pedagógico que torna o ensino mais divertido e promove o interesse pela leitura. Pedro Henrique Concy, sócio-diretor da Estante Mágica, explica que, com o projeto, a atividade escolar torna-se motivo de orgulho para familiares, educadores e para as próprias crianças: “Os alunos podem criar livremente as histórias ou a escola pode conduzi-lo a alguma temática que queira abordar. Todos adoram participar e isso cria um elo mais forte com a leitura”.

Os meninos escrevem mais sobre seus sonhos e o que querem ser. Tem muita história de jogador de futebol, astronauta e aventuras no mundo dos super-heróis. Já as meninas gostam muito de fantasiar a própria realidade e seus relacionamentos – criam muitas histórias em que as amigas e a família são personagens.

De acordo com a educadora Patrícia Paiva, para escrever bem, os pequenos precisam ser bons leitores e isso deve ser estimulado desde cedo: “Quando a criança tem a chance de escrever seu próprio livro, ela quer fazer o seu melhor, se sentindo estimulada a ler mais para não escrever errado. Com isso, ela capricha na ortografia e ilustração. Iniciativas como essa são muito importantes para despertar na criança o gosto pela leitura e escrita”.

O Projeto Magia é uma iniciativa da empresa Estante Mágica, do Rio de Janeiro, e já se expandiu para as cidades de Nova Friburgo e Niterói, com convites para atuar em escolas de outros estados, como São Paulo e Paraná. “Estamos planejando expandir o projeto para espalhar a magia da leitura em escolas de outras cidades brasileiras”, explica Pedro Henrique Concy.

Saiba mais: www.estantemagica.com.br