Páginas

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

As melhores brincadeiras de todos os tempos!


Com tantas novidades tecnológicas surgindo a todo o momento, as brincadeiras simples estão sendo esquecidas pelas novas gerações. Que tal voltar a ser criança, relembrar os velhos tempos e reunir toda a família para ensinar aos filhos como eles podem se divertir bastante com muito pouco e em brincadeiras da época dos pais?


Pique-esconde -  “Noventa e oito, noventa e nove, CEM! Lá vou eu!” Enquanto a galera procura o melhor esconderijo possível, uma pessoa faz a contagem com os olhos fechados em um marco inicial da brincadeira. Depois, ela vai em busca dos amigos até encontrá-los. O primeiro a ser encontrado precisa sair correndo para bater com a mão no marco e, se não conseguir fazer isso antes de quem o descobriu escondido fazer o mesmo, é o próximo da vez na contagem para procurar os coleguinhas.


Roda – Forme uma roda e cante cantigas antigas como “Atirei o pau no gato”, “Ciranda-cirandinha”, “A canoa virou”, “Pirulito que bate-bate”, “Samba-lelê”, “Se esta rua fosse minha”, “Serra serra serrador”, entre outras. Se você é um pai ou mãe politicamente correto e na sua casa não tem essa de atirar o pau no gato, ensine às crianças a versão defensora dos animais e aproveite para falar sobre a importância de cuidar dos bichinhos. No mesmo ritmo cante: “Não atire o pau no gato-to, porque isso-so não se faz-faz-faz. Pois o gato-to é nosso amigo-go. Não devemos maltratar os animais. Miau!”


Batata quente - As pessoas ficam em círculo e alguém fica de fora. Passe uma bola bem rápida de mão em mão e quem estiver de fora diz: “Batata quente, quente, quente... Queimou!”. Quem estiver com a bola quando o amigo disser “queimou” é eliminado.


Bolinha de gude – Existem diferentes formas de se jogar bolinha de gude, mas todas têm o mesmo objetivo: os participantes devem percorrer determinados caminhos, batendo uma bolinha na outra e, ao final, acertar as caçapas. Quem acertar mais, ganha.


Foto: Divulgação/Svenska Cellulosa Aktiebolaget